Busca
Agronegócio Empreendedorismo

Carreira em W: é possível adotar na minha empresa?

 

Há algum tempo o mercado vem transformando a organização da sua força de trabalho. Antes, a carreira de um profissional era verticalizada do cargo de estagiário à coordenação, por exemplo. No entanto, a nova geração de trabalhadores mostrou ao mundo corporativo que nem todo crescimento é pautado em conquistar um cargo de liderança.

Neste artigo, você vai entender como é a carreira em W e qual é o benefício dela para a sua empresa. Mas, antes, é necessário conceitualizar a carreira linear e em Y. Confira!

Carreira linear

Tradicionalmente, a ascensão profissional é concebida em linha reta: de estagiário até gerente. Ou seja, o objetivo é atingir uma posição de liderança na organização.

Com o passar do tempo, as empresas viram a necessidade de mudar esse processo, pois nem todo colaborador tinha habilidade para liderar. Isso levava a um prejuízo tanto para a organização quanto para o funcionário, que só poderia mostrar seu talento se coordenasse uma área.

Carreira em Y

Nesse contexto, a pessoa tem a oportunidade do sucesso profissional mesmo que não tenha perfil de liderança. A trilha permite a ascensão de quem tem perfil técnico/especialista, que será desafiado e valorizado sem ter que coordenar uma equipe. Ou seja, o 'Y' é uma metáfora para os dois caminhos que podem ser escolhidos: técnico ou gerencial.

Carreira em W

Aqui, a versatilidade é a principal característica. Nela, é possível liderar e, ao mesmo tempo, manter sua especialidade, ou seguir por um outro caminho.

Com a multidisciplinaridade, o profissional tem a oportunidade de desenvolver uma visão sistêmica do negócio. Isso faz com que ele participe ativamente de outros setores. Assim, há uma flexibilização na trilha de carreira, permitindo que o colaborador transite por uma nova área de interesse a fim de atingir a alta performance.

O surgimento da carreira em W e as suas vantagens

Proposto por Roberto Pierre Rigaud, esse modelo surgiu em meados da década de 1980, mas ficou em desuso por um tempo devido à dificuldade de implementação. Com a transformação do modo de trabalho, ele voltou à tona por se encaixar na proposta de algumas organizações.

As vantagens são:

  • visão sistêmica do negócio;

  • maior engajamento do profissional;

  • equipe mais motivada;

  • desenvolvimento de inteligência emocional do grupo;

  • melhor relação interpessoal;

  • maior atração e retenção de talentos;

  • gestão do conhecimento.

A aplicação no negócio

Antes de implementar a carreira em W, é preciso adotar algumas medidas. A primeira é fazer uma autoavaliação do que a empresa tem de forte e de fraco, a fim de estabelecer o que precisa ser melhorado. Também é necessário entender se o modelo funcionaria em longo prazo.

A partir disso, é preciso definir o objetivo do plano de carreira. Pesquise qual é a ambição da equipe, verifique suas metas de curto, médio e longo prazo. Por fim, determine o que se encaixa ou não no processo.

Vale lembrar que a estrutura de cargos não pode ser muito complicada nem simples demais. Grande parte das organizações adota o modelo em alguma área mais complexa do organograma, o que significa que nem todo setor ou cargo entra na carreira em W.

Quando há versatilidade de atuação, o ganho é tanto da empresa quanto do colaborador. Mas lembre-se: boa comunicação, capacidade de gerir conflito, criatividade e inovação são características de quem se adapta melhor à carreira em W. 

Post ID: | Current Page ID: 4867

Continue lendo

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência de navegação, memorizar suas preferências e personalizar o conteúdo publicitário de acordo com seus interesses. Veja mais detalhes em nossa Política de Privacidade.