Busca
Agronegócio Gestão Financeira

Fluxo de Caixa: Guia completo para gerenciar as finanças do seu negócio

Mãos de duas pessoas, uma delas está segurando um relatório financeiro enquanto outra indica algo no relatório.

O que você precisa saber: 

  • O fluxo de caixa é uma ferramenta que permite que você tenha uma visão completa das finanças do seu negócio; 

  • Existem diferentes tipos de fluxos de caixa que podem ser usados para entender melhor diferentes cenários financeiros; 

  • Manter o fluxo de caixa atualizado e organizado é a melhor maneira de garantir uma boa saúde financeira para seu negócio. 

Se você tem um negócio, entender da realidade financeira dele é uma das melhores maneiras de garantir que você não terá problemas — que vão de prejuízos financeiros até a falência. 

E, para isso, você precisa de um fluxo de caixa, uma das ferramentas mais importantes para a organização financeira do seu negócio, que permite que você saiba não apenas qual é o dinheiro que entra, mas também o que sai do seu caixa. 

Nesse artigo, nós do Avançar vamos te ensinar tudo o que você precisa saber sobre o fluxo de caixa e te dar dicas para usá-lo no dia a dia do seu negócio! 

Leia agora! 

O que é fluxo de caixa? 

O fluxo de caixa é uma ferramenta que permite o acompanhamento da situação financeira de uma empresa. 

Ele é um relatório onde são registradas todas as movimentações de dinheiro de um negócio, ou seja, tanto o que entra, quanto o que sai do caixa — todos os recebimentos e gastos. 

Com a ajuda do fluxo de caixa, é possível controlar as finanças e solucionar problemas relacionados a elas. 

Qual a diferença entre controle de caixa e fluxo de caixa? 

Apesar dos nomes parecidos, existe uma grande diferença entre o fluxo e o controle de caixa: enquanto o fluxo de caixa é um registro de todas as movimentações financeiras da empresa e torna as entradas e saídas de dinheiro previsíveis, ajudando no planejamento, o controle de caixa é o registro do saldo atual de um negócio, ou seja, quanto há em caixa naquele momento. 

Para que serve o fluxo de caixa? 

Por manter um registro de todas as movimentações no caixa da empresa, o fluxo de caixa serve como um relatório e pode ser usado para diversas funções relacionadas ao controle e à saúde financeira de um negócio. 

Os principais objetivos do fluxo de caixa são: 

  • Ajudar no controle financeiro; 

  • Controlar as contas a pagar; 

  • Saber quais são os valores a receber; 

  • Fazer com que a empresa tenha capital de giro, ou seja, dinheiro para se manter funcionando; 

  • Permitir projeções financeiras; 

  • Permitir o planejamento de gastos e tomada de decisões. 

Qual a importância do fluxo de caixa? 

O fluxo de caixa permite que você tenha controle da situação financeira do seu negócio. 

Já que essa ferramenta mostra tudo sobre o dinheiro da empresa, desde quanto dinheiro há em caixa devido às vendas de produtos e prestações de serviços até o quanto será necessário gastar com custos e dívidas, é possível ter uma visão da realidade financeira da empresa. 

Com essa visão, é possível tomar decisões melhores relativas a tudo o que envolve o negócio, como reformas, compra de equipamentos, contratações de funcionários e até mesmo quais são os bons momentos para criar promoções e aumentar as vendas. 

Não ter um fluxo de caixa, não o manter atualizado ou ignorar sua existência interfere diretamente nas finanças do seu negócio, ou seja, pode diminuir seus lucros, causar prejuízos financeiros e até mesmo levá-lo à falência. 

Quais são os benefícios do fluxo de caixa? 

Ter um fluxo de caixa traz uma série de benefícios e vantagens para qualquer negócio. 

Entre eles estão: 

  • Monitorar as finanças da empresa e ter uma visão realista de sua situação; 

  • Saber se o dinheiro disponível será o suficiente para pagar os custos e gastos da empresa; 

  • Prever os gastos, recebimentos e quanto dinheiro estará disponível em caixa em um determinado período; 

  • Planejar reformas, expansões e compras de equipamentos; 

  • Saber se determinados períodos serão de baixa de vendas e se planejar para eles; 

  • Ter dados para justificar decisões de reajuste ou aumento de preços

  • Decidir qual é o momento certo para fazer promoções e dar descontos; 

  • Entender se o dinheiro em caixa é o suficiente para manter o funcionamento da empresa ou se será necessário pedir um microcrédito para usar como capital de giro. 

Quais problemas evitados pelo fluxo de caixa? 

Além de trazer benefícios, o fluxo de caixa também ajuda a evitar problemas comuns no dia a dia de empresas que não fazem o controle de suas finanças. 

O uso do fluxo de caixa evita que: 

  • Você não saiba para onde o dinheiro da sua empresa está indo; 

  • Sua empresa não tenha dinheiro para arcar com seus custos ou pagar suas contas; 

  • As contas fiquem atrasadas, gerando juros e aumentando o valor a ser pago; 

  • Você não tenha dados que te mostrem o crescimento de suas vendas e do seu negócio. 

Com que frequência o fluxo de caixa deve ser feito? 

Por ser uma ferramenta que deve estar presente no dia a dia da empresa, o fluxo de caixa deve ser feito e mantido pelo empreendedor. 

Mas, é importante se atentar à sua frequência de atualização: para que o fluxo de caixa seja bem aproveitado, é necessário que ele seja atualizado frequentemente. 

Isso porque uma atualização periódica garante que os dados estejam sempre o mais atualizados o possível quando você precisar utilizá-los, eliminando qualquer chance de você se esquecer de registrar algum valor, o que pode alterar e dar uma perspectiva errada das finanças da empresa. 

Quais são os tipos de fluxo de caixa? 

Agora que você já sabe o que é o fluxo de caixa, seus benefícios e importância, é hora de entender quais são os tipos de fluxo de caixa. 

Existem cinco tipos de fluxo de caixa que devem ter sua atenção. Cada um deles tem funções diferentes e, por isso, permitem que você veja diferentes aspectos financeiros do seu negócio. 

  1. Fluxo de caixa operacional 

O tipo mais conhecido e utilizado de fluxo de caixa, o fluxo de caixa operacional é o fluxo onde são registrados tudo o que entra e o que sai do caixa de uma empresa, ou seja, suas receitas e despesas. 

Com ele, é possível ver qual é a diferença entre o valor disponível em caixa e as despesas de um negócio, ou seja, seu capital de giro. 

  1. Fluxo de caixa direto 

É um fluxo de caixa que registra o valor bruto de tudo o que é recebido e pago pela empresa, deixando que todas essas informações fiquem disponíveis para uso quando for necessário. 

Geralmente é atualizado diariamente e, para facilitar a leitura, os gastos e recebimentos são separados por categorias, como gastos com manutenção, compra de mercadoria e receita com vendas. 

  1. Fluxo de caixa indireto 

O fluxo de caixa indireto é visto como um instrumento contábil. Isso porque ele considera os lucros e prejuízos do Balanço Patrimonial e do Demonstrativo de Resultado de Exercício (DRE) da empresa, dois documentos contábeis que registram o desempenho econômico de um negócio. 

Esse tipo de fluxo de caixa é usado por empresas que aderem ao regime de competência, um método de registro contábil geralmente adotado por grandes empresas. 

  1. Fluxo de caixa projetado 

Com o fluxo de caixa projetado, é possível, como o próprio nome diz, projetar resultados para planejar o futuro financeiro de um negócio. 

Assim, esse tipo de fluxo de caixa ajuda a organizar recebimentos e pagamentos, bem como entender se haverá dinheiro em caixa em um determinado período para arcar com custos e gastos ou investir na expansão do negócio. 

  1. Fluxo de caixa livre 

O fluxo de caixa livre também trabalha com a projeção e planejamento. Porém, dessa vez, é feita a projeção de resultados da empresa, ou seja, com esse tipo de fluxo de caixa, é possível saber qual será o valor em caixa após o pagamento de dívidas a curto, médio e longo prazo. 

Com ele, é possível saber se, daqui algum tempo, será preciso pegar um microcrédito para manter as portas abertas ou se será possível fazer investimentos e comprar um equipamento necessário, por exemplo. 

Quais são os itens que não podem faltar em um fluxo de caixa? 

Para ter um fluxo de caixa eficiente, é preciso manter sempre registrado alguns elementos que fazem parte do controle financeiro da sua empresa. São eles: 

  • Contas a pagar, ou seja, todos os gastos que a empresa tem, como fornecedores, contas de água e luz, impostos e dívidas com bancos; 

  • Contas a receber, que são as receitas da empresa, ou seja, tudo o que os clientes pagam pelas compras e contratações feitas, mesmo que sejam pagamentos a prazo — eles são importantes para a projeção de resultados; 

  • Vendas, que são todas as vendas de produtos ou contratações feitas, pois seu registro ajuda a monitorar as receitas e lucros de maneira mais eficaz; 

  • Lucros, que são a receita depois dos custos pagos e são importantes para entender a lucratividade do negócio; 

  • Observações e anotações, que são todas as informações relevantes e que devem ser registradas no fluxo para melhor entendimento dele. 

Como fazer um fluxo de caixa? 

Fazer um fluxo de caixa operacional não exige muitos materiais: uma planilha no computador ou papel e caneta podem ser usados para registrar tudo o que é necessário. 

Depois, basta seguir o passo a passo que fizemos para te ajudar a fazer o fluxo de caixa do seu negócio. 

  1. Registre o saldo inicial da sua empresa 

O primeiro passo para começar um fluxo de caixa é saber quanto dinheiro ela tem em caixa naquele momento. Dependendo do nível de desorganização das finanças da sua empresa, esse passo pode ser demorado, mas ele não deve ser ignorado: esse é o valor que servirá como base para todos os cálculos a partir de agora. 

  1. Descubra quais são suas receitas e despesas 

Muitas empresas têm despesas, mas não sabem nem de onde vem e para que servem, enquanto outras tem valores a receber e não possuem isso registrado. Por isso, o segundo passo para criar seu fluxo de caixa é descobrir quais são suas receitas e despesas, de onde elas vêm e para que elas servem. 

Esse passo ajuda também para que, no futuro, você possa saber quais os custos podem ser cortados sem prejudicar o funcionamento do seu negócio. 

  1. Separe suas receitas e suas despesas 

Categorizar suas receitas e despesas é importante para se organizar financeiramente e, além de ser um passo importante para fazer o fluxo de caixa, também contribui para a vida financeira da empresa em geral. 

Entre as categorias que você pode separar suas receitas e despesas estão custos fixos, custos variáveis, pagamentos a receber e pagamentos recorrentes. 

  1. Defina um período para seu fluxo de caixa 

Fluxos de caixa podem ser usados para monitorar as movimentações diárias, semanais, quinzenais, mensais etc. 

Por isso, é importante definir qual será o período que será monitorado em seu fluxo de caixa — e, além disso, sempre começar outro registro sempre que esse período acabar e manter todos os relatórios arquivados para serem acessados sempre que preciso. 

  1. Registre as entradas 

Agora que você já tem o saldo inicial e o período do fluxo de caixa, é hora de começar o registro. 

Toda vez que houver uma entrada de dinheiro, como um novo pagamento feito por algum cliente dentro do período definido, é obrigatório registrá-lo no fluxo de caixa, independentemente de seu valor. 

Se o período definido para o fluxo de caixa tiver alguma entrada retroativa, ou seja, que aconteceu antes do início do registro, também é hora de colocá-lo aqui. 

  1. Registre as saídas 

Aqui vale a mesma regra do registro de entradas: registre todas as saídas de dinheiro do seu caixa, como custos fixos e variáveis, pagamentos de impostos e dinheiro utilizado em emergências. 

  1. Atualize o fluxo sempre que houver movimentação no caixa 

A regra principal para manter um fluxo de caixa é atualizá-lo sempre. Mesmo que seja um gasto de baixo valor ou um recebimento inesperado, ter seu fluxo de caixa em dia e sempre atualizado é fundamental para ter o panorama completo das suas finanças. 

Por que é importante manter o fluxo de caixa atualizado? 

Como vimos até agora, o fluxo de caixa é uma ferramenta que dá uma visão completa das finanças da empresa. Ou seja, se seu fluxo de caixa não está atualizado, você não tem uma visão real do que está acontecendo com o dinheiro em seu negócio. 

Sem um fluxo de caixa atualizado, é impossível saber exatamente quanto dinheiro se tem em caixa, se há dinheiro o suficiente para pagar as despesas, para comprar matéria prima e até mesmo para ter lucros com o negócio. 

Ou seja, sem um fluxo de caixa atualizado, é impossível saber se a empresa tem dinheiro para continuar funcionando.  

7 dicas para controlar seu fluxo de caixa 

Já te mostramos tudo o que você precisa saber para elaborar um fluxo de caixa para seu negócio, mas queremos te ajudar ainda mais. Por isso, listamos 5 dicas para te ajudar a controlar seu fluxo de caixa e contribuir para que você tenha uma visão realista das suas finanças. 

  1. Sempre faça o lançamento de recebimentos e despesas: é comum esquecer ou deixar de fazer o lançamento de um valor por causa de um dia cheio, mas, é importante sempre separar um tempo para colocar o fluxo de caixa em dia, registrando tudo o que aconteceu no caixa da empresa para garantir que os dados estejam sempre corretos; 

  1. Nunca ignore valores baixos, sejam eles gastos ou recebimentos: a falta de registro deles pode fazer com que você tenha divergências em seus registros financeiros; 

  1. Se organize: registrar apenas entradas e saídas no fluxo de caixa não basta, pois é necessário também explicar do que elas se tratam, de onde elas vieram, datas e outras informações que vão te ajudar a ter o maior número possível de dados sobre o dinheiro do seu negócio; 

  1. Use seu fluxo de caixa: manter o fluxo de caixa lá, apenas atualizado, é bom para que você saiba tudo sobre suas finanças, mas é preciso lembrar que o fluxo de caixa também é uma ferramenta para soluções, ou seja, é possível usar as informações obtidas com seu uso em seu negócio. Geralmente, os dados do fluxo de caixa são usados para fazer um bom planejamento financeiro para um negócio e descobrir quando é possível comprar novos equipamentos para expandir a produção, por exemplo; 

  1. Seja realista: ao usar seu fluxo de caixa para projetar seus futuros ganhos e fazer seu planejamento financeiro, é muito importante ser realista e não projetar lucros grandes demais ou que sejam impraticáveis. A principal ideia aqui é criar diferentes cenários com os dados do fluxo de caixa, para você ter ideia do que é possível fazer em cada situação — até nas que preveem baixas vendas e valores baixos em caixa; 

  1. Considere contratar uma ferramenta de fluxo de caixa: apesar do fluxo de caixa poder ser feito em um caderno ou em uma planilha, existem ferramentas, como o CoPiloto Santander, que automatizam o processo de elaboração do fluxo de caixa, otimizando o seu tempo; 

  1. Estude e busque saber mais sobre gestão financeira: segundo o Sebreae, um dos principais motivos para a falência de empresas é a falta de conhecimento dos empreendedores. Por isso, para garantir que seu fluxo de caixa fique positivo e que sua empresa se desenvolva e cresça, é importante fazer cursos e buscar conhecimento sobre finanças, fluxo de caixa e gestão empresarial. 

Onde posso fazer um curso de fluxo de caixa gratuito? 

Fazer um curso sobre fluxo de caixa pode te ajudar a fixar ainda mais os conhecimentos adquiridos nesse post e, ainda, receber um certificado para que você possa mostrar que tem conhecimento no assunto. 

Existem cursos 100% gratuitos para isso, como é o caso do Curso de Fluxo de Caixa do Avançar que também é online, ou seja, você não precisa sair de casa para estudar. 

O que vou aprender em um curso de fluxo de caixa? 

No Curso de Fluxo de Caixa do Avançar, você vai, em 4 episódios, aprender a elaborar um fluxo de caixa, a mantê-lo em dia e a usá-lo para expandir seu negócio. 

Nesse curso, você vai aprender: 

  • Conceitos relacionados ao fluxo de caixa e ao planejamento financeiro; 

  • A diferença entre pagamentos e recebimentos; 

  • O que fazer quando não há equilíbrio entre o que você gasta e o que você ganha; 

  • Como planejar a gestão financeira da sua empresa; 

  • Como escolher e manter relacionamento com fornecedores; 

  • Opções de recebimento de pagamentos de clientes; 

  • Como manter relacionamento com clientes; 

  • Como ter controle da sua gestão financeira; 

  • Como solucionar problemas no fluxo de caixa. 

Quais ferramentas de fluxo de caixa existem? 

Existem diversas ferramentas de fluxo de caixa que podem te ajudar a elaborar e monitorar a situação financeira do seu negócio. Listamos três opções voltadas para micro, pequenas e médias empresas para você conhecer! 

  1. CoPiloto Santander 

O CoPiloto Santander é uma plataforma voltada para pequenos e médios empreendedores acompanharem as movimentações financeiras de seus negócios. Além de permitir o acompanhamento do fluxo de caixa, a plataforma — que é 100% online — também oferece a emissão de notas fiscais, o cadastro de clientes e fornecedores, além de outras funções que ajudam a facilitar o dia a dia do empreendedor. 

  1. Fluxo de Caixa Sebrae 

Voltada para MEIs que querem automatizar seu fluxo de caixa, o Fluxo de Caixa Sebrae também é online e permite observar as entradas e saídas de dinheiro do caixa, pagamentos parcelados, entre outros. 

  1. Painel PJ 

Criado pelo Banco do Brasil, o Painel PJ é uma ferramenta de fluxo de caixa voltada para pequenos e médios negócios que também oferece uma visão das vendas realizadas.  

Para que serve o CoPiloto Santander? 

O CoPiloto Sntander é uma plataforma online que permite que empreendedores acompanhem de perto as movimentações financeiras de seu negócio, sendo ideal para quem está começando a cuidar das finanças ou ainda quem não tem uma área financeira estruturada em sua empresa. 

No CoPiloto Santander, é possível encontrar: 

  • Monitoramento do fluxo de caixa; 

  • Monitoramento de informações financeiras; 

  • Cadastramento de produtos, serviços, fornecedores e clientes; 

  • Módulo de vendas com solução de PDV (Ponto de Venda); 

  • Emissão de nota fiscal de produtos e de serviços; 

  • Loja virtual integrada ao e-commerce Getnet e funcionalidade para gestão de estoque; 

  • Relatórios financeiro; 

  • Demonstração de Resultado de Exercícios (DRE) Simplificada; 

  • Entre outras funções que vão facilitar a gestão das finanças do seu negócio. 

Quer saber mais sobre finanças e como organizá-las no seu dia a dia do seu negócio? Aproveite e faça também nosso curso de Educação Financeira para continuar aprendendo! É 100% gratuito. 

Saiba mais sobre o Programa Avançar

Com foco no desenvolvimento do empreendedor, trazemos uma série de conteúdos que auxiliam na gestão do seu negócio. Além de vídeos, podcasts e ebooks atualizados com as novidades do mercado, o Avançar oferece uma série de cursos com foco no empreendedor, entre eles: Curso de Educação Financeira, Curso de Crédito e Curso para MEI.  

Comece agora mesmo seu curso gratuitamente e ganhe um certificado digital. Cadastre-se!

Como abrir sua Conta MEI Santander

Simples, digital e precisa de apenas 3 documentos: 

• Documento de identidade (RG ou CNH) 

• Número de CPF 

• Certificado de MEI 

>> Abra a sua conta MEI << 

Post ID: | Current Page ID: 5672

Continue lendo

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência de navegação, memorizar suas preferências e personalizar o conteúdo publicitário de acordo com seus interesses. Veja mais detalhes em nossa Política de Privacidade.