Restrição de crédito para empresas: quais são os principais fatores?

Instituições financeiras classificam os fatores como os

restrição de credito

A restrição de crédito pode dificultar o crescimento de uma empresa, em especial se for um pequeno ou médio negócio (PME). Além da
avaliação de desempenho e de resultado, um critério usado na hora de conceder empréstimo ou financiamento é a situação de inadimplência da companhia.

De acordo com uma pesquisa do Serasa Experian, aproximadamente 5,025 milhões de PMEs no país estavam inadimplentes em fevereiro de 2018. Isso significa 21,9% do total de organizações desse porte.

É inegável a importância de evitar esse tipo de restrição para ter uma condição favorável de negócio. Mas você sabe quais são os demais fatores que afetam negativamente a obtenção de crédito? Continue lendo e confira!

Não atendimento aos 6 Cs do crédito

A análise de crédito dos 6 Cs é uma metodologia muito usada no mercado financeiro. Ela mostra o panorama da situação econômica de uma organização, avaliando:

  • condição da empresa: capacidade do gestor de se adequar a uma situação conjuntural, tendo flexibilidade para desenvolver mecanismo de defesa contra alguma ameaça;

  • capital: dados relacionados a liquidez, estrutura de capital, lucratividade, nível de endividamento, entre outros índices financeiros. Eles são conseguidos por meio de relatório ou demonstrativo financeiro do negócio;

  • caráter: esse aspecto está ligado à reputação e à idoneidade da empresa no mercado;

  • capacidade: avalia se o faturamento e os gastos da organização possibilitam o cumprimento da dívida que será assumida. Em outras definições, esse tópico aparece subdividido nos Cs de Caixa (se consegue gerar renda para arcar com os gastos) e de Custos (se tem boa gestão de custos);

  • colateral: capacidade da empresa ou de seus sócios/proprietários em entregar uma garantia para obtenção do crédito;

  • conglomerado: envolve a coleta de informação de outros negócios de um grupo econômico, avaliando como eles afetam a companhia que deseja obter o empréstimo.

Em alguns casos, entra em cena o “C” de comunicação. Ele se relaciona à coleta rápida de dados e análise de informações contábeis, cadastrais e estruturais, por exemplo.

Ausência de educação financeira

Outro aspecto que pode restringir o crédito é a ausência de educação financeira. Isso denota amadorismo ou falta de competência para gerir a empresa — e, consequentemente, arcar com o empréstimo. Portanto, é essencial se profissionalizar e aumentar seu conhecimento em gestão econômica.

Aliás, o Santander e a Fundação Dom Cabral têm uma parceria para promover soluções educacionais em governança e gerenciamento, com condições diferenciadas para seus clientes. Acesse nosso espaço que fala de Estratégia e Gestão!

Falta de planejamento

É importante contar com um bom planejamento estratégico para lidar com toda ameaça ou oportunidade financeira. Por outro lado, a falta dele pode passar uma imagem negativa à instituição de crédito, fazendo com que o negócio perca ponto na hora de solicitar empréstimo e financiamento.

Quando adaptado para lidar com a obrigação do crédito, o planejamento deve apontar a melhor maneira de gerar o caixa para o pagamento da dívida.

Forma errada de agir em meio a uma crise financeira

Durante uma crise, toda entidade de crédito se torna mais criteriosa quanto à liberação de empréstimo. O negócio interessado deve contar com uma boa estrutura de gerenciamento e de operação, que esteja adaptada à conjuntura de maior dificuldade do mercado.

Caso contrário, a financeira pode negar a liberação de recurso para a empresa ao observar que ela gasta muito e não tem um bom controle orçamentário, por exemplo.

Superar a restrição de crédito é fundamental para um negócio crescer. Muitas vezes, o próprio aproveitamento de uma oportunidade requer injeção de capital de terceiros. Portanto, observe atentamente se sua empresa não deixa a desejar em algum ponto listado neste artigo.